Júnior Lima teve a CNH suspensa e fez reciclagem para infratores

O músico Júnior Lima passou por um momento bastante complicado por causa de sua Carteira Nacional de Habilitação. Ele acumulou 37 pontos na CNH, em razão de infrações de trânsito cometidas com veículos registrados em seu nome e respondeu a um processo administrativo "Algumas imagens de monitoramento mostram as infrações que teriam sido cometidas pelo artista ao longo de 2014, em Campinas, Valinhos e São Carlos, no estado de São Paulo.

Júnior foi notificado da instauração do processo em junho de 2015, mas apresentou defesa fora do prazo, tendo como punição a suspensão do direito de dirigir por um mês. Como o músico não entregou a carteira, a punição foi inscrita no cadastro do condutor em novembro de 2015. O cantor entregou a CNH às autoridades somente em outubro de 2017, tendo realizado uma reciclagem para infratores no dia 27 de novembro do mesmo ano. Inconformado com a situação, o cantor resolveu mover uma ação contra a Prefeitura de Campinas, Detran São Paulo, DER, e Prefeitura de São Paulo. Conforme consta nos autos, o músico queria, através da ação, a nulidade dos atos administrativos. O artista ainda alega que tem alguns veículos registrados em seu nome, sendo utilizados por terceiros, como seus funcionários, por exemplo.



O EMDEC gestão de multas diz ter recusado todas as indicações de infratores por não ter condições de saber se as assinaturas correspondiam, de fato, a Junior Lima, o proprietário de veículo. No ano passado, o advogado do irmão da Sandy optou por pedir a extinção do processo, desde que o músico não fosse condenado em sucumbências. O juiz Otavio Tioiti Tokuda, da 10ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, atendeu ao pedido e extinguiu a ação, contudo, condenou o irmão de Sandy a pagar R$ 1.000,00 de honorários advocatícios, para cada réu, totalizando R$ 4 mil. O valor da condenação já foi integralmente quitado pelo artista em 30 de setembro de 2020.


Fonte: O Dia

12 visualizações0 comentário