UFMG cria método inédito para diagnosticar Covid-19 e outras doenças virais com uso de inteligência

Pesquisadores da UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais, seguem estudando a contaminação pelo novo coronavírus. Neste mês de julho, um grupo formado por integrantes dos departamentos de Física e Microbiologia anunciou a descoberta de um método inédito, que utiliza inteligência artificial para diagnóstico da Covid-19 e, também, de outras doenças virais, como dengue e zika.

"É um método rápido, não invasivo e muito preciso, que não requer condições de biossegurança específicas. Ou seja, pode ser utilizado em qualquer laboratório, posto de saúde ou hospital", explicou o professor Juan González, do Departamento de Física da UFMG. A plataforma, batizada de PoLiVirUS, funciona por meio da comparação entre células infectadas e amostras não infectadas. O professor González explica que a inteligência artificial é treinada com um grande conjunto de espectros de amostras, de diagnóstico conhecido, e acaba aprendendo a distinguir umas das outras. Com isso, se torna apta a processar os espectros de novas amostras, reconhecendo infecções por diferentes vírus. O projeto teve início logo que os principais casos da infecção causada pelo novo coronavírus foram registrados no Brasil, e os testes clínicos com amostras de pacientes reais começaram há duas semanas e apresentaram acurácia de quase 90%. (Fonte: G1)

14 visualizações0 comentário